HD E SSD: Qual a diferença? Porque fazer um UPgrade na sua máquina

HD E SSD: Qual a diferença?

Qual a diferença entre HD e SSD? A tecnologia de armazenamento de dados evoluiu bastante, e quando se fala em aumentar a capacidade de armazenar dados de um computador, automaticamente pensamos nos meios mais conhecidos de aumentar a memória geral. São eles o HD (disco rígido), que suporta grandes volumes e o SSD (disco sólido), mais veloz.

Apesar das duas tecnologias serem bastante conhecidas e possuírem o mesmo fim, poucas pessoas sabem quais as reais diferenças entre ambos. Pensando nisso, a DF Notebooks separou algumas delas para você. Então, vamos lá!

1. O HD (hard disc)

Os HDs, ou discos rígidos (também conhecido como “Winchesters“, porque os primeiros tinham duas faces de 30 polegadas, e foram chamados de “3030”, o mesmo apelido usado para os rifles Winchester, por causa do calibre dos mesmos) utilizam basicamente a mesma tecnologia desde 1956, quando o IBM 350 (um monstro de uma tonelada e incríveis 5 MB de capacidade) foi introduzido: conta com discos móveis, utilizados para armazenar os dados, e um braço mecânico, que faz a leitura e escrita.

Cada disco do HD, que pode ser de alumínio, cerâmica ou vidro, é revestido com um material magnético que fica a nanômetros de distância da cabeça magnética fixada no braço mecânico, que conta com um conjunto de ímãs. Essa cabeça detecta a magnetização nos setores do disco, ou muda os padrões conforme os mesmos giram, a uma velocidade que normalmente varia entre 5.400 e 7.200 RPMs (Rotações Por Minuto). É assim que um HD realiza o processo de escrita e leitura de dados.

2. O SSD (solid-state drive)

Os SSDs, ou unidades de estado sólido, têm esse nome por não contarem com partes móveis. Embora o desenvolvimento desse tipo de memória não-volátil tenha sido iniciada nos anos 1970 (na forma de EEPROMs), os primeiros SSDs para uso por usuários comuns e empresas chegaram ao mercado nos anos 2000. A principal diferença para o HD, é que o SSD é mais rápido.

Um SSD armazena dados em células de memória Flash, as mesmas presentes em smartphones e tablets. Cada célula é formada por um controlador, o responsável por fazer a comunicação com o computador, e um transistor de porta flutuante, ou floating gate, que é o que armazena os dados.
Quando uma carga elétrica é aplicada no controlador, a tensão empurra alguns elétrons para o floating gate, onde permanecem por conta de duas camadas de óxido de silício, com carga negativa, que isolam o circuito. É assim que os dados são escritos, e podem ser lidos várias vezes, enquanto uma nova carga não for aplicada.

Vantagens de uma máquina com SSD em relação a um com HD convencional

#1 – Mais rápido

Já foram produzidas diversas comparações que atestam que o módulo de memória de estado sólido é muito superior nesse quesito quando comparado a um disco rígido convencional. E isso fica evidente não somente na inicialização do sistema, mas também na abertura e execução de programas.
Um dos motivos para essa diferença é a simples estrutura apresentada pelos dois formatos de armazenamento. Enquanto o HD usa um “braço mecânico” que precisa varrer um disco magnético para carregar e salvar os dados, o SSD tem todos os arquivos guardados em módulos de memória flash. O acesso, nesse caso, é instantâneo e a diferença fica evidente em muitos dos processos do computador.

#2 – Mais seguro

A segurança que o SSD confere é com relação a integridade de seus dados, já que essa unidade não é tão suscetível a danos por impactos como é um disco rígido tradicional.
Além disso, por não possuir partes mecânicas e consumir menos energia, o SSD também esquenta menos. A unidade de estado sólido também é capaz de resistir a maiores variações de temperatura, o que de fato o qualifica como mais seguro que um simples HD.

#3 – Mais compacto, leve e silencioso

Quando comparado a um HD convencional, o SSD é, pelo menos, três vezes mais compacto. Isso se traduz em maior aproveitamento de espaço e possibilidade de utilização de outros componentes na mesma máquina. No caso de notebooks, o disco rígido de 2,5 polegadas até rivaliza com um SSD
SATA tradicional, mas ainda é mais pesado — ponto de extrema importância para dispositivos portáteis, como é o caso de um laptop. Mas ele não se compara aos SSDs modernos que usam a interface M.2 e são muito menores, mais leves e rápidos que os discos rígidos de notebook.
O fato de não existirem partes mecânicas no SSD traz ainda outra vantagem: a inexistência de sons em seu funcionamento.

#4 – Mais econômico

Por ter um processo de funcionamento completamente diferente de um HD convencional, o SSD ganha, não somente em desempenho, mas também em economia. A unidade de estado sólido pode consumir até duas vezes menos energia quando comparado ao disco rígido. Isso sem mencionar a menor possibilidade de falhas e danos causados por impacto, por exemplo.
Outro aspecto importante ainda dentro do âmbito da economia é o tempo economizado em cada inicialização e execução de programas.
Lembrem-se, a DF Notebooks é especialista em aparelhos Apple e manutenção de computador DF. Nos contate, podemos te ajudar!

Compartilhe com os seus amigos

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email